Saúde em Pauta

Os desafios do RH no retorno das atividades

Saúde Empresarial

Os desafios do RH no retorno das atividades serão diversos, pois a área tem papel fundamental para avaliar o bem-estar dos colaboradores. A primeira questão é que todos os esforços precisam estar centrados no cuidado mútuo, sensibilizando equipe e gestores.

Diante disso, se a empresa ainda não elaborou um comitê de crise, esse é momento. Assim, será mais fácil a tomada de decisões. Nesse comitê, o RH deve ter voz ativa para avaliar como cada estratégia vai impactar as equipes. Importante lembrar que todas as ações devem sempre levar em consideração a saúde dos colaboradores.

Por isso, também é importante estabelecer um planejamento para o retorno das atividades. Nesse sentido, a área de recursos humanos vai precisar pensar em diversos fatores como a adequação da jornada de trabalho, a elaboração de escalas diferenciadas e a manutenção do home office para alguns setores, se for o caso.

Outros desafios do RH

Comunicação

A comunicação sobre as decisões da empresa deve ser clara e objetiva para transmitir segurança. Isso vai ajudar a reduzir impactos emocionais, como ansiedade e estresse, que são comuns em situações de crise.

Nesse caso, o RH deve desenvolver estratégias para reforçar a confiança e a tranquilidade nas equipes de trabalho. Assim como, desenvolver campanhas de conscientização com informações úteis sobre a doença e o reforço nas medidas de prevenção.

Protocolo de afastamento

O RH precisa estabelecer um protocolo para o afastamento ágil de funcionários com sintomas. O ideal é que, em situações de suspeita, o afastamento do trabalho seja imediato, até a confirmação ou não da doença.

Desta forma, é possível avaliar outros colaboradores que tiveram contato com o funcionário afastado. Por isso, também é importante implantar um sistema de monitoramento contínuo dos sintomas.

Grupos de risco

Listar as pessoas que se enquadram nos grupos de risco também é uma tarefa do RH. Identificar os funcionários idosos, hipertensos, diabéticos, gestantes e que apresentam problemas pulmonares ou complicações que acarretam imunodeficiência, além de trabalhadores que residam com pessoas desses grupos, é importante para avaliar quais medidas tomar.

A recomendação é que esses profissionais sejam indicados para o trabalho remoto ou dispensados durante o período da pandemia. Nesse caso, é possível estabelecer as diretrizes autorizadas pelo governo federal como a compensação de banco de horas, a antecipação de férias, a suspensão do contrato de trabalho ou a redução da carga horária.

Orientação em saúde

Estabelecer um serviço de orientação em saúde também é uma medida que vai contribuir para evitar a doença no ambiente de trabalho. Algumas plataformas e canais online de consultas permitem que o funcionário tire dúvidas e peça orientação sem precisar sair de casa.

Isso evita a exposição e o contágio de outras pessoas durante o deslocamento. Além disso, caso o diagnóstico de coronavírus seja confirmado, é possível estabelecer comunicação direta com a empresa para dar sequência no protocolo de afastamento ou de trabalho remoto.

Acompanhe também:

Cinco cuidados para retornar as atividades em segurança

Monitoramento de funcionários em casos de COVID-19